Mobirise free website maker

AMARELEJA

Localização

Amareleja é uma freguesia do concelho de Moura com uma área de 10 834 hectares. Situada na margem direita do rio Ardila, no extremo Norte do concelho de Moura e seu limite com o concelho de Mourão e confrontando, a Este, com terras espanholas, a freguesia de Amareleja dista da sua sede de concelho cerca de 29 km.

Amareleja foi desde muito cedo habitada por gerações, que ultrapassando as idades mais próximas, se vão radicar no homem pré-histórico. Na obra "Amareleja, rumo à sua história", Padre João Rodrigues Lobato refere que diversos vestígios de diferentes épocas – machados de sílex, vestígios da fundição de metais, sepulturas, desenhos lavrados, etc. – levam-nos a concluir que os vestígios mais abundantes são da época Romana, manifestados desde o Carapetal, a Norte da Vila e por todo o prolongamento do Vale de Navarro, Donas, Boa Vista, Vale Tamujo e Garrochais, com tendência a aproximar-se do Ardila. Não aparecem, no entanto, nestes locais quaisquer inscrições, factor condicionado pelas actividades pastoris e não guerreiras ou fidalgas dos seus moradores.

O repovoamento local data entre os séculos XIII e XIV, aspecto comprovado pelo significado etimológico de muitos casais e herdades que compunham a freguesia. Crê-se que as necessidades religiosas teriam levado, nos finais do séc. XV, à construção da Igreja de Santo António (padroeiro dos gados em muitas regiões do país), originando a sua fixação e forma de núcleo populacional.

Num documento de 1695, a freguesia foi chamada de MARELEJA. A origem do nome da freguesia, segundo algumas opiniões, deve-se a expressões dos primeiros povoadores que lhe chamavam "campo das amarelas", designação que lhe veio da abundância de flores amarelas que atapetavam os seus campos ou dos extensos campos de trigo cultivados. Outra versão diz respeito a uma brincadeira de crianças que, divertindo-se a partir ovos contra a porta da igreja, gritavam: “Já amareleja! Já amareleja!”. O termo “Marel” (lugar escolhido para a selecção e apuramento de raças) poderá também ter contribuído para a derivação do nome de Amareleja, na medida em que os rebanhos, em época de reprodução, poderiam juntar-se e os seus pastores designarem esse local como “Mareleia” (acto de procriar, reproduzir).

Caracterização

No que se refere à concentração populacional, a freguesia de Amareleja é a localidade rural do concelho com maior número de habitantes, tendo vindo esse número a decrescer ao longo dos anos, aspecto que acontece com todo o concelho. Em 1981, a freguesia apresentava 3281 habitantes e, em 1991, eram 3237 pessoas. Nos censos de 2001, o número de residentes era de 2763. Não podemos deixar de referir que o número mais elevado de habitantes na freguesia de Amareleja foi em 1940, com cerca de 9000 pessoas. A grande expansão de casas começa a notar-se em 1830 e prolonga-se até 1860 por diversas ruas, aspecto intimamente relacionado com as elevadas produções agrícolas. Em 1935, é inaugurado o Campo de Aviação Cifka Duarte, destacando a Amareleja ao nível da aeronáutica e das transacções comerciais. A base económica da freguesia é fortemente tributária do sector primário, nele se destacando a agricultura, a olivicultura, vitivinicultura e a pecuária, em torno das quais se organiza grande parte das produções industriais e do comércio da freguesia, com destaque para a produção de azeite, vinho, passas de uva e queijo de cabra; a construção civil e a carpintaria são também actividades muito importantes para o desenvolvimento local. No artesanato da freguesia de Amareleja, destacam-se a sapataria manual, ferraria, latoaria, ferro forjado, miniaturas em barro e madeira, cadeiras de buinho, cestaria de verga, rendas e bordados.

Amareleja foi elevada à categoria de Vila em 16 de Agosto de 1991 (Lei 95/91).

Tradições

A Amareleja é uma das freguesias do concelho de Moura mais ricas em costumes, lendas e tradições. Para além da disposição natural para a música, que os acompanha nas diversas actividades recreativas, os habitantes de Amareleja continuam a preservar um costume já antigo – as Estudantinas. Este costume relaciona-se com o Carnaval, momento em que verdadeiros artistas populares trazem à rua a crítica e a censura do sucedido na freguesia, concelho ou país durante o decorrer do ano, através da poesia, música e dança.

Também as Janeiras continuam a entoar nas noites escuras de Inverno, antes do dia de Reis. A troco de moedas que são repartidas no final entre os cantores, entoam canções religiosas e populares por todo o aglomerado.

Diversas lendas fazem parte da história da freguesia de Amareleja. A “Marquesa de Távora” é uma delas. Fugida do Marquês de Pombal, refugiou-se no celeiro da sua herdade (de Estepa) juntamente com a sua aia durante vários dias. Arranjou como companheira desses momentos de infortúnio, uma gata de olhos bondosos que a atraiçoou quando surgiram soldados à sua busca e os conduziu, inocentemente, até à Marquesa.

Outra das lendas “A Fonte Santa” refere-se à existência de uma fonte, cujas águas curaram mãe e filho de uma terrível doença provocada por uma cobra que, aproveitando-se do sono da mulher em companhia de seu filho de peito, consegui mamar na mulher e meter a cauda na boca da criança para esta não chorar.

Também a lenda da “Menina e o Lobo” se conta. Saída do povoado, uma mulher lavava roupas na companhia da sua filha anda pequena. Esta brincava pelo campo e, curiosa pelos animais, afastou-se da mãe e perdeu-se, dormindo de seguida. Aflita, e em vão, a mãe procura-a juntamente com outros habitantes da aldeia. Muitos dias depois, a criança foi encontrada por um pastor que a encontrara a brincar como se nada tivesse acontecido e dizendo que lhe aparecia uma senhora que lhe dava de comer e uma vara para se defender dos bichos maus. Acreditaram que foi um milagre de Nossa Senhora.

As festas tradicionais assumem também especial relevo na freguesia, realizando-se a Festa de Santa Maria a 15 de Agosto e a Festa de Nossa Senhora da Conceição (padroeira) a 8 de Dezembro. A festa que mais visibilidade tem é a Festa de Santa Maria, que apesar de não ser a festa da padroeira, permite encontros entre os amarelejenses residentes e os que não se encontram a viver na freguesia. No dia 14 da festa, assistem a tourada, fogo de artifício e concertos. O dia 15 assume um carácter religioso, na medida em que existe a missa e a procissão com os festeiros que levam o pendão da Senhora, acompanhada pelo andor, crianças, homens e mulheres e música.

Acerca de mercados e feiras, a freguesia de Amareleja tem vindo a desenvolver a Feira de Artesanato, que vai já na sua 5.º edição da Expoarte, tendo também mercado às segundas quartas-feiras de cada mês. Existem ainda a Feira do Livro (Junho) e a Feira da Vinha e do Vinho (Dezembro).

CONTACTOS
Câmara Municipal de Moura
Praça Sacadura Cabral
7860-207 MOURA
Telefone: 285 250 400

Junta de Freguesia de Amareleja
Rui Eng. Luis Guinapo Ferronha, 21
7885-061 Amareleja
Telefone: 285 982 256