A Secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, informou esta manhã o Presidente da Câmara Municipal de Moura, Álvaro Azedo, de que seria lançado hoje, 14 de dezembro, o concurso relativo à integração do Convento do Carmo de Moura no projeto “Revive”.

O Convento do Carmo, cujas origens remontam ao período medieval, é imóvel classificado e tem um inestimável valor patrimonial e sentimental para os habitantes do concelho.

Refira-se que o atual executivo do município de Moura desenvolveu, ao longo dos últimos 12 meses, diversas diligências junto do Turismo de Portugal, I.P. e da DGPC – Direção Geral do Património Cultural para que a integração deste imóvel no Projeto “Revive” se concretizasse. Durante este período foi desenvolvido trabalho relevante pelos técnicos da Câmara Municipal de Moura e alcançados entendimentos, como por exemplo com o Pároco de Moura – Padre José Manuel – que permitiram transformar o Convento do Carmo num investimento viável, não descurando a sua vertente de culto religioso.

O “Revive” é um instrumento lançado pelo Governo, tendo em vista a recuperação e valorização do património cultural e histórico, presente em todo o território nacional, e a sua transformação num ativo económico do país. Esta iniciativa tem o intuito de abrir o património ao investimento privado para desenvolvimento de projetos turísticos, através da realização de concursos públicos.

Através do “Revive” pretende-se promover e agilizar os processos de rentabilização e preservação de património público que se encontra devoluto, tornando-o apto para afetação a uma atividade económica com finalidade turística, gerar riqueza e postos de trabalho, promover o reforço da atratividade de destinos regionais, a desconcentração da procura e o desenvolvimento de várias regiões do país.

Com o lançamento deste concurso, o processo relativo ao Convento do Carmo fica disponível na página de internet do “Revive”, em revive.turismodeportugal.pt, onde os potenciais investidores poderão consultar toda a informação relativa à transformação deste imóvel numa unidade hoteleira com 50 quartos, classificação mínima de 4 estrelas, cujo contrato de concessão prevê um investimento de cerca de 8 milhões de euros.

O anúncio de procedimento poderá ser consultado aqui.

Aceda a toda a documentação.